Graças às redes sociais, somos diariamente bombardeados por falsas verdades compartilhadas sem qualquer preocupação e até mesmo de má-fé. Você sabia que o filho do Lula não é dono da Friboi? Sabia que o procurador da Lava Jato nunca disse “Não temos provas, mas temos convicção”? Ou que os Simpsons nunca previram a eleição presidencial do Trump? Isso tudo tem acontecido graças ao pensamento ilusório, verdade subjetiva ou pós-verdade.

No mundo da tradução, precisamos estar sempre atentos às novas palavras que são criadas para representar toda essa loucura e aqui, em particular, mencionaremos três delas. Você já ouviu falar de wishful thinking? Truthness? Post-truth?

WISHFUL THINKING

Em português, wishful thinking costuma ser traduzido como pensamento ilusório, no qual a pessoa abandona os fatos ou a racionalidade e segue sua linha de raciocínio baseada em desejos ou crenças, ou – como define o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa – um impulso que conduz o ser humano à crença em determinadas suposições, tais como os princípios da religião ou do livre-arbítrio, cuja legitimidade não depende de qualquer comprovação obtenível por meio de fatos ou dados objetivos, mas de sua utilidade psicológica e dos benefícios vitais que as acompanham.

Porém, se você pensa que as falsas verdades são algo novo e o culpado disso tudo é o Facebook, cuidado para não sair por aí disseminando mais uma falsa verdade. Há 10 anos, somente dois anos após a criação do Facebook e muito antes de toda essa bagunça, a palavra do ano – segundo o Merrian-Webster – era Truthiness.

TRUTHINESS

É a qualidade que caracteriza como “verdade” algo dito de forma intuitiva, apenas porque parece certo, sem evidência, lógica ou fatos. Não há uma tradução exata para o português e uma tradução aproximada pode ser “verdade subjetiva” (tradução minha).

O linguista e consultor Benjamin Zimmer apontou que a palavra já tem um histórico na literatura e ela é encontrada no Oxford English Dictionary como uma derivação de truthy e no The Century Dictionary como truthfulness (veracidade), faithfulness (fidelidade).

Voltando para 2016, agora com o Facebook criando tendências e postagens sendo compartilhadas sem qualquer tipo de filtro, a palavra do ano corrente – de acordo com o Oxford Dictionary – foi a post-truth (pós-verdade).

POST-TRUTH

Adjetivo (em inglês) relacionado a – ou que denota – circunstâncias cujos fatos possuem menos influência na formação da opinião pública do que o apelo à emoção e crenças.

post-truth

O conceito de pós-verdade já existe há alguns anos, mas foi colocado em voga em 2016 principalmente por conta do referendo no Reino Unido e das eleições presidenciais nos Estados Unidos, fato que acabou criando o termo post-truth politics (política da pós-verdade). Post-truth rapidamente deixou de ser um termo periférico para se tornar amplamente utilizado sem a necessidade de explicações ou definições.


Para ouvir mais sobre os termos acima, recomendo o episódio 49 do Zing e, para conhecer um pouco mais sobre a veracidade das notícias, acesse o site E-Farsas. Veja abaixo os links para as notícias mencionadas no início do texto:

Para dúvidas sobre vocabulário, entre em contato conosco pelo e-mail contato@nexolinguistica.com.br.

Um abraço,

Rômulo Faria

Anúncios